Prefeitura inicia 1º trecho de revitalização do rio Barigui

PROJETO VIVA BARIGUI CONTEMPLA A CONSTRUÇÃO DE PARQUE NO CAMPO DE SANTANA E NA CAXIMBA

Obras são esperança para fim de alagamentos e realocação de famílias em situação de risco, bem como a revitalização do rio

rio barigui     No dia 04 de julho iniciaram as obras da primeira etapa de recuperação do rio Barigui, em Curitiba, totalizando 5 quilômetros que vão entre o Carrefour Champagnat até o Contorno Sul. Está sendo feita a limpeza de parte do rio, onde serão construídas 14 quadras esportivas e um parque linear com 3,7 quilômetros de ciclovia. Nesta primeira etapa, foram removidas da beira do rio cerca de 735 famílias, tendo as casas em área de risco demolidas desde 2008.
O custo da recuperação do rio e construção dos parques e das casas para realocação das famílias que moravam em áreas de risco à beira do Barigui foi de mais de R$ 30 milhões, dinheiro que foi disponibilizado pelo governo federal e contrapartida da prefeitura.
    O projeto de recuperação total do rio é chamado de "Viva Barigui", e é um plano estratégico da Prefeitura Municipal de Curitiba que compreende no uso, ocupação e recuperação do meio ambiente com a despoluição do rio e revitalização da área de abrangência de toda a bacia. Esse planejamento prevê um conjunto de obras e ações de curto, médio e longo prazo nas áreas de infra-estrutura, com trabalhos de drenagem, alargamento e afundamento do rio, fiscalização e educação ambiental, além de iniciativas de natureza legal e institucional. As obras estão divididas em três trechos que englobam lagoas de acumulação e desassoreamento do lago do parque barigui.    O Rio Barigui corta 23 bairros da cidade de Curitiba, tendo sua nascente em Almirante Tamandaré e sua foz na Caximba, onde deságua no rio Iguaçu. Com 60 quilômetros de extensão, tem 30% dos domicílios de Curitiba localizados em sua bacia, sendo que pouco mais da metade possui rede de esgoto. Além disso, nesta região existem 32 loteamentos clandestinos e 100 loteamentos espontâneos, muitos deles em áreas de preservação permanente.
    Neste projeto estão previstas obras de infra-estrutura para conservar os rios limpos e promover a consolidação do parque linear do Barigui, aproveitando trecho do sistema viário existente e criando novas ligações para a implantação da via parque, uma avenida arborizada dotada de iluminação e sinalização que vai delimitar concretamente as áreas de preservação e conservação. A Via Parque será ladeada por ciclovias e pistas de caminhada e tem por objetivo ligar todos os parques, bosques e áreas de lazer existentes e os que serão criados na bacia do Barigui.
    O programa conta com recursos da Agence Française de Développement (Agência Francesa de Desenvolvimento), uma instituição pública francesa que financia projetos de desenvolvimento sustentável urbano, rural e industrial, e projetos na área da educação e saúde. São cerca de R$ 85 milhões previstos para o “Viva Barigui”, que promete trazer o rio de volta à vida.
CAMPO DE SANTANA E CAXIMBA
    O terceiro trecho do projeto "Viva Barigui" engloba duas novas áreas de preservação e lazer: o parque Campo de Santana e o Parque das Olarias. Na altura das cavas do Iguaçu será feita a recuperação das áreas degradadas permitindo novas opções de uso. Desde o ponto em que entra em Curitiba até onde deságua, no rio Iguaçu, o Barigui terá sua vegetação recomposta e as margens recuperadas. Para garantir a despoluição do rio a Prefeitura vai avaliar a situação de todas as ligações irregulares de esgoto na bacia do Barigui, notificando a Sanepar para corrigir os problemas. Outra meta é garantir que áreas de preservação permanente não sejam novamente ocupadas.
    As casas das margens do rio em situação de risco e que ocupam áreas de preservação permanente serão gradativamente regularizadas ou transferidas para áreas urbanizadas.
    As ocupações localizadas no bairro do Caximba já são consideradas pontos de alagamento, pois ficam perto do rio Barigui e das cavas em áreas de preservação permanente e frequentemente sofrem com a enchente.
    A revitalização do rio Barigui acaba sendo uma esperança para estes moradores. Muitos deles estão há anos na fila da Cohab e por necessidade acabaram se instalando nestas áreas de risco. O aumento absurdo do aluguel na capital é um dos motivos pelo qual estas pessoas decidiram ocupar a região. Levando em consideração que muitas delas são trabalhadores assalariados que não conseguem manter a família e sua necessidades básicas como alimentação, por exemplo, a falta de moradia piora significativamente a situação.
    Para entender melhor o projeto "Viva Barigui", assista o vídeo que foi postado no site do Caderno do Bairro: www.cadernodobairro.com/santana e clique no menu galeria de vídeos, localizado no canto esquerdo da página.

Acesse Também!

Anunciantes